Detalhes do Projeto


Nome Importância de remanescentes de Cerrado para o tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla) no centro-sul de São Paulo   Projeto FAPESP
Website http://www.bv.fapesp.br/pt/auxilios/83937/importancia-de-remanescentes-de-cerrado-para-o-tamandua-bandeira-myrmecophaga-tridactyla-no-nordes/
Data de Vigência 03/01/2014 - 29/02/2016
Equipe Pesquisador Responsável: Rita de Cassia Bianchi Instituição Sede: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Unesp/Jaboticabal Equipe de pesquisa: Dr. Guilherme de Miranda Mourão - Pesquisador da Embrapa Pantanal Dr. Matthew E. Gompper - Docente da University of Missouri Dr. Joshua Millspaugh - Docente da University of Missouri Dra. Natalie Olifiers - Pesquisadora do Instituto Oswaldo Cruz Dra. Adriana C. Morales Corrêa e Castro - Docente da FCAV/Unesp MSc. Alessandra Bertassoni da Silva - Aluna de Pós-Graduação em Biologia Animal da Unesp/ São José do Rio Preto MSc. Clarice Silva Cesário - Veterinária responsável e aluna de Pós-Graduação em Biologia Animal da Unesp São José do Rio Preto MSc. Flávia R. Miranda - Pesquisadora da IUCN Anteater, Sloth & Armadillo Specialist Group Rullian César Ribeiro - Aluno de Pós-Graduação em Genética da Unesp/ São José do Rio Preto Gisele Lamberti Zanirato - Aluna de Pós-Graduação em Biologia Animal da Unesp/ São José do Rio Preto Ivana Aparecida Martucci Garcia - Secretária da Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Unesp/Jaboticabal José Valcir Fidelis Martins - Técnico de campo da Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Unesp/Jaboticabal
Instituições Participantes Embrapa Pantanal University of Missouri Instituto Oswaldo Cruz Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Unesp/Jaboticabal
Bioma Cerrado
Resumo Áreas protegidas são consideradas uma das formas mais efetivas para a conservação da biodiversidade. Contudo, elas por si só são insuficientes para manter as espécies e suas comunidades ecológicas. São Paulo, o estado mais industrializado do país, ainda conta com fragmentos nativos de vegetação; mas, apenas 25% encontram-se protegidos em Unidades de Conservação (UC). A Estação Ecológica de Santa Bárbara (EESB) tem somente 2.700 hectares e é rodeado por áreas alteradas por atividades antrópicas. No entanto, abriga uma biota diversa, sendo ainda um dos últimos remanescentes de Cerrado e Floresta Estacional do estado. Essa UC é refúgio para alguns mamíferos ameaçados, como o tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla). Entre outros aspectos, a especialização alimentar, o grande requerimento de área e a baixa taxa de crescimento populacional aumentam o grau de vulnerabilidade dessa espécie já ameaçada de extinção. O objetivo principal deste estudo é analisar a ecologia e perfil de saúde do tamanduá-bandeira em uma paisagem composta por remanescentes de Cerrado e Floresta Estacional (EESB) e áreas antropizadas (entorno). Técnicas de telemetria-GPS (Sistemas de Posicionamento Global) e armadilhamento fotográfico serão empregadas para responder às questões ecológicas, principalmente, como e em quais partes dessa paisagem essa espécie ocorre e utiliza. O perfil de sanidade da espécie será traçado pelos diagnósticos sanitário e toxicológico com intuito de avaliar se o uso de agrotóxicos no entorno e a presença de patógenos são mais uma ameaça à espécie. A área de estudo é o tipo de paisagem modelo do que ocorre nos remanescentes de vegetação nativa de São Paulo, e os resultados do estudo serão essenciais para direcionar estratégias de conservação dentro e fora de UCs no estado.
Produtos Esperados 2 Resultados esperados A obtenção de informações biológicas básicas sobre essa espécie, um especialista ameaçado de extinção, permitirá avaliar a importância da UC e seu entorno antropizado, área modelo do que ocorre nos remanescentes de São Paulo. Os resultados contribuirão para o conhecimento dos requerimentos de hábitat da espécie, incluindo deslocamento médio diário, tamanho de áreas de uso, seleção de hábitats e permeabilidade da matriz – todos esses aspectos determinam a distribuição das espécies no espaço e no tempo; bem como trarão informação sobre a densidade populacional local por armadilhamento fotográfico. O perfil sanitário dos indivíduos e o diagnóstico toxicológico poderão indicar outras ameaças como a presença de resíduos de inseticidas bioacumulados. Projetos de médio e longo prazo utilizando o rastreamento por Sistemas de Posicionamento Global (GPS) para o monitoramento de tamanduás-bandeira nunca foram realizados, sendo este estudo pioneiro para esta questão. Também há pionerismo no que diz respeito ao diagnóstico toxicológico dos espécimes, já que estudos com enfoque em ecotoxicologia são raros em vertebrados terrestres de vida livre. Espera-se que as regiões de Cerrado, tanto às protegidas pela unidade de conservação quanto às antropizadas do entorno, sejam selecionadas para uso da espécie, já que hábitats de vegetação aberta são considerados de suma importância para o tamanduá-bandeira. Também é esperado que as áreas de Cerrado convertidas (agrosilvipastoris) do entorno funcionem como corredores e step stones para outros remanescentes da região. Os resultados obtidos poderão nortear planos de ação para a espécie e medidas de manejo na UC, cujo objetivo principal é a assegurar a manutenção da biodiversidade.
Palavras-Chave Cerrado
Coletas 1
Lista de Projetos